Sobre Belford Roxo

Cidade de Belford Roxo

Belford Roxo é um município brasileiro localizado na Região Metropolitana do estado do Rio de Janeiro. Pertencente à Mesorregião metropolitana do Rio de Janeiro e à microrregião homônima, está ao norte da capital do estado distando desta cerca de 20 km. Estende-se por uma área de 79 km².

O povoamento de Belford Roxo vêm desde o século XVII, com os índios Jacutingas, mapeadas pela primeira vez em uma carta elaborada pelo cripto judeu João Teixeira Albernaz, o moço em 1666 entre os rios Merith, Simpuiy e Agoassu. A emancipação municipal ocorreu somente em 1990, com seu desmembramento do município de Nova Iguaçu. Esse fato concretizou algo inevitável, pois o município contava à época com mais de 300 mil habitantes e estava em completo abandono com relação à Nova Iguaçu. Belford Roxo cresceu muito rapidamente, e por ser um município pequeno em área, divide com São João de Meriti o título de Formigueiro Humano.

Atualmente o município é o sexto mais populoso do Rio de Janeiro, contando com 472.008 mil habitantes, segundo a estimativa do IBGE para 2011, e com o 14º maior PIB do estado, com 3.539.442.000 mil, o seu IDH é 0,742, sendo considerado médio pelo PNUD/2000 e sua renda per capita em 2008 era de 7.140,38.

História

Alguns anos após a expulsão dos franceses, o governador do Rio de Janeiro, Cristóvão de Barros, concedeu ao capitão Belchior de Azeredo uma sesmaria às margens do Rio Sarapuí, na antiga aldeia dos índios Jacutingas. Nesse local, ele fundou o engenho de Santo Antônio de Jacutinga, que futuramente seria o atual município de Belford Roxo. Uma ermida para Santo Antônio foi construída na encosta de uma colina a 750 metros da margem do rio Sarapuí, próximo ao local estabelecido para atividades portuárias. No limiar do século XVII, o engenho de Santo Antônio de Jacutinga foi desmembrado, surgindo, então, o engenho Maxambomba (Nova Iguaçu) e o engenho da Poce (da Posse). No século XVIII, um novo desmembramento (dessa vez, nas terras do engenho do Maxambomba) fez surgir o engenho Caxoeira (Mesquita), em terras que pertenceram ao governador do Rio de Janeiro Salvador Correia de Sá e Benevides. Por mais de duzentos anos, as terras mentiveram-se, por sucessão hereditária, sob o controle dos herdeiros de Salvador Correia de Sá e Benevides, a família Correia Vasques.

Em meados do mesmo século XVIII, as terras do engenho Santo Antônio voltaram a ser desmembradas para a formação de novos engenhos: do Brejo e do Sarapuí. No mesmo período, as terras do engenho Maxambomba foram desmembradas para formação do engenho do Madureira.

Em 1767, em uma carta topográfica da capitania do Rio de Janeiro, feita por Manuel Vieira Leão, aparece claramente nessa região o engenho do Brejo. O seu primeiro ocupante foi Cristóvão Mendes Leitão, em 1739. A Baixada Fluminense é cortada pelo Rio Sarapuí e era cercada por pântanos e brejais. Possuía, em sua margem, um porto para escoamento da produção: açúcar, arroz, feijão, milho e aguardente. Após uma sucessão de proprietários, em 1815, o padre Miguel Arcanjo Leitão, que era proprietário das terras, vendeu-as ao primeiro visconde de Barbacena, Felisberto Caldeira Brant de Oliveira e Horta, futuro marquês de Barbacena. Em 1843, Pedro Caldeira Brant, o conde de Iguaçu - filho do primeiro visconde e marquês de Barbacena - assumiu a fazenda após o falecimento do pai, que ocorreu na cidade do Rio de Janeiro no dia 13 de julho de 1842. Em 1851, a família Caldeira Brant vendeu a sua fazenda para o comendador Manuel José Coelho da Rocha.

Na segunda metade do século XIX, a fazenda entrou em decadência devido a um surto de epidemias. O assentamento dos trilhos para a passagem da estrada de ferro Rio d'Ouro, cortando a fazenda do Brejo, em 1872, em terras doadas pelos descendentes de Coelho da Rocha, deram início a um movimento de reivindicação para transformá-la em linha de trem de passageiros, pois, anteriormente, essa ferrovia havia sido construída para a captação de água nas serras do Tinguá, Rio d'Ouro e São Pedro, com colocação de aquedutos ao longo de sua margem.

A Vila de Belford Roxo em torno da estação do trem foi paulatinamente conquistando melhorias. Além da caixa-d'água instalada em 1880 com capacidade para abastecer 500 pessoas em um chafariz, registra-se a instalação de luz elétrica e o transporte ferroviário para passageiros.

A expansão urbana neste século deu-se com a expansão das ferrovias. A venda de terras, outrora fazendas, retalhadas em lotes e vendidas a preços baixos para moradia ou transformadas em sítios para o plantio de laranjais, foi estimulada pelo governo. Assim como em outros distritos da Baixada Fluminense, o caráter rural da região foi sendo lentamente substituído pelo perfil de cidade dormitório.

A dinâmica de crescimento obedeceu à lógica de produção do espaço urbano metropolitano sem planejamento e desigual. Envolvido com conflitos ambientais causados por um crescimento urbano pouco planejado, observa-se que o Município sofre de problemas comuns a outras áreas da Baixada, especialmente a carência de infra-estrutura e serviços.

Economia

Baseada em sua maioria apenas no comércio local. Suas maiores empresas são a indústria química Bayer do Brasil, Termolite e a Lubrizol.

O desenvolvimento industrial dos municípios vizinhos, especialmente Duque de Caxias, apresentou novas alternativas de mercado de trabalho para a população local, o que também aconteceu em menor proporção dentro da própria cidade de Belford Roxo, com a introdução de algumas indústrias como a Bayer, a Lubrizol, a Termolite e algumas empresas transportadoras. De modo geral, entretanto, pode-se dizer que o caráter de “cidade dormitório” continua presente e que a maior parte da população trabalhadora continua dependente de relações de trabalho na cidade do Rio de Janeiro.

Saúde

Segundo dados do IBGE/2008, Belford Roxo possuia 77 estabelecimentos de saúde, sendo 41 deles públicos, entre hospitais, prontos socorros e postos de saúde. O município contava com um hospital, popularmente conhecido como "Hospital do Joca", que foi parcialmente fechado em 2011. Tinha sido inaugurado a 8 de dezembro de 1998 e batizado com o nome do primeiro prefeito de Belford Roxo, Jorge Júlio da Costa dos Santos. Outro centro de saúde existente é o Hospital Infantil de Belford Roxo, localizado no bairro de Areia Branca. Há também a recém-inaugurada UPA (Unidade de Pronto Atendimento), que recebe, aproximadamente, 650 pessoas por dia do próprio município e região, localizado no bairro Jardim Bom Pastor.

Para homenagear a comunidade de moradores desta maravilhosa cidade, o Encontra Rio de Janeiro criou o Encontra Belford Roxo.

Blog do Guia da Cidade de Belford Roxo

Receba notícias por e-mail
Cadastre-se e receba notícias de Belford Roxo por e-mail
 

Dados Principais sobre Belford Roxo

Aniversário: 03 de Abril
Fundação : 1990
Gentílico: belford-roxense
Area: 79 791 Km²
População 472 008 hab. (2011)
IDH 0,742 - médio
Prefeitura Belford Roxo

Brasão de Belford Roxo
Brasão de Belford Roxo

Bandeira de Belford Roxo
Bandeira de Belford Roxo

Vídeo sobre a cidade de Belford Roxo
Veja mais vídeos sobre a Cidade de Belford Roxo

Mapa de Belford Roxo

 

Moradores ilustres de Belford Roxo

   

  Sobre o EncontraBelfordRoxo
Fale com EncontraBelfordRoxo
Anuncie no EncontraBelfordRoxo
Cadastre sua Empresa no EncontraBelfordRoxo (grátis)


Termos EncontraBelfordRoxo | Privacidade EncontraBelfordRoxo